San Andrés: super guia de viagem

SAN ANDRES.jpg

Sobre San Andrés

CENTRINHO-SAN-ANDRES.jpg

O destino de hoje é incrível mesmo! Localizado no Mar do Caribe, San Andrés é um arquipélago composto pelas ilhas de San Andrés, Catalina e Providência, além de várias ilhotas chamadas Cayos. A ilha principal é San Andrés, que, apesar de pertencer à Colômbia, está a 780 km de distância do continente colombiano, e bem mais perto da Nicarágua - pois é! E como você deve saber, a água do mar na região tem tantas variações de tons, que ganhou o apelido de Mar de Sete Cores! 😍


Um pouco de história

Por influência dos ingleses que chegaram nas ilhas, grande parte dos nativos fala mais inglês do que espanhol. Descobri que também falam o crioulo sanandresano, um dialeto bem misturado que se criou a partir do inglês, um pouco de castelhano e alguns idiomas africanos. Uma loucura!

San Andrés foi a base militar de um notável personagem conhecido como Pirata Morgan, e assim foi ganhando visibilidade como um destino turístico. É uma ilha bem pobre e pode te decepcionar no primeiro momento, como aconteceu comigo... É que ela precisa de cuidado, de organização... mas tem um mar tão lindo e passeios tão surpreendentes que faz a gente mudar de opinião rapidinho! Saí de lá achando San Andrés super atraente e insisto que vale a pena conhecer! 


O que fazer

Peatonal: a principal praia da ilha fica no centro, oferece a melhor estrutura para os turistas e, de quebra, tem lojinhas e um calçadão bom para caminhar - seja dia ou noite, um passeio por ali é sempre agradável. O mar nessa praia costuma ser calmo e fica raso por um bom trecho dentro da água, sendo propícia para pessoas de todas as idades, incluindo crianças.

PRAIA-PEATONAL-SAN-ANDRES.jpg

Jhonny cay: é a ilha mais famosa de San Andrés, onde provavelmente você vai tirar as fotos mais lindas da viagem! Boa para almoçar, tomar uns drinks e mergulhar na água quentinha. O mar de Johnny Cay tem as cores incríveis da região, e esseé um passeio definitivamente imperdível!

JHONNY-CAY-SAN-ANDRES-2.jpg

Aquário e Haynes Cay: o Aquário é uma pequena ilha próxima a San Andrés com águas tranquilas e cristalinas. O lugar é bem pequeno mas recebe visitantes todos os dias e oferece toda a estrutura de que um turista precisa: lanchonete, banheiro, aluguel de equipamento para mergulho como snorkeling, aluguel de botas, venda de artesanato etc. Também faz parte do mesmo passeio, a travessia para Haynes Cay, que é outra ilha que você chega em 5 minutos de caminhada pelo mar com água na canela. Boa para curtir a paisagem e descansar!

West View: não é exatamente uma praia, mas um pequeno parque. Nesse local, que é excelente para snorkel, você encontrará lanchonete, tobogã, trampolim, estrutura para poder nadar entre dezenas de peixes, fazer mergulho com balão ou escafandro. 

Caverna de Morgan: ou La Cueva de Morgan, é um ponto turístico envolvido por lendas e histórias. Além da própria cova, que teria sido o local onde o Pirata Henry Morgan escondeu um tesouro, o espaço possui algumas casas-museus que dão uma prévia da história de San Andrés. Dizem que é bem interessante, mas não estava na minha lista.

Hoyo Soplador: uma fenda no meio das pedras que solta vento devido ao balanço das ondas no mar. Não cheguei a conhecer...

Cocoplum: uma praia quase sem ondas por onde se vai caminhando até Rocky Cay, uma ilhota que é outro ponto de snorkeling. Com águas claras e calmas, o lugar tem um bom trecho de areia e é conhecido por oferecer uma área all inclusive para os hóspedes da rede Decameron ou pagantes vindos de fora, como foi o meu caso. Qualquer pessoa que queira conhecer a praia pode visitá-la, mas essa estrutura do hotel só pode ser utilizada por quem tiver uma pulseirinha de identificação. No meu caso paguei 45.000 COPs. Se vale a pena? Se você tiver alguns dias na ilha pode valer, mas saiba que as comidas e bebidas são bem simples, assim como quase tudo na Colômbia!

ROCKY-CAY-SAN-ANDRES.jpg

La Piscinita: não é uma praia, mas um pedacinho do mar cercado por pedras indicado para observar peixes e fazer snorkel. Ele é como uma versão mais simples de West View, com bem menos movimento de pessoas - por isso, indicado para quem prefere lugares mais vazios. 

Volta pela ilha: o passeio que margeia toda a costa de San Andrés pode ser feito de diferentes maneiras: bicicleta, moto, carrinho de golfe e chiva, uma espécie de caminhão adaptado para transportar passageiros. Através dele você pode fazer paradas nos principais pontos da ilha, como a Caverna de Morgan, West View, La Piscinita, Hoyo Soplador, San Luis... 

Compras no freeshop: a Avenida Colón fica paralela à praia e é uma das principais avenidas de San Andrés. Por lá você encontrará hotéis, restaurantes e muitas lojinhas. Há lojas como United Colors of Benetton e La Riviera (a maior loja freeshop de San Andrés), além de estabelecimentos menores que vendem comidinhas. Las Américas é uma das vias mais importantes de San Andrés, e também um bom local para fazer compras, pois há grande diversidade de lojas de roupas, calçados, esportes, perfumes, entre outras. Já a Avenida Providência tem lojas como Madeira (indicada para roupas e produtos de higiene e beleza), La Riviera (que vende produtos de free shop) e Presidente (ótima para encontrar roupas de marcas famosas). 

Boate Coco Loco: é o point de San Andrés. A boate fica cheia nos finais de semana e normalmente não exige nenhum pagamento para entrar, o que permite que você possa se divertir e dançar sem pagar nada além de bebidas e petiscos que consumir. O local toca principalmente salsa e reggaeton, ritmos populares na ilha. Eu fui num domingo, por volta das 22h e estava beeem vazia, então nem esperei pra ver se ia "bombar", preferi buscar um bar legal e beber alguns drinks!

Blend Bar e Casino: esse foi o outro ponto que encontrei para curtir a noite de domingo. Fica aberto até tarde e você pode beber drinks em copos bem bonitos e jogar no casino, caso seja a sua praia. Fica do lado do Decameron Isleño, o melhor da rede de hoteis em San Andrés!

BLEND-BAR-SAN-ANDRES.jpg

Quando ir

PRAIA-SAN-ANDRES.jpg

San Andrés apresenta altas temperaturas durante o ano todo. Seja no inverno ou no verão, prepare-se para sentir um calor de pelo menos 27ºC, que é a média de temperatura anual do local. 

O que se sabe é que as chuvas são mais frequentes de maio a dezembro, porém viajar nesse período não significa ficar embaixo da água o tempo todo. O tempo muda constantemente na ilha, e é comum o dia amanhecer nublado e depois ficar ensolarado - também é comum a ocorrência de chuva através de nuvens passageiras. Viajando nos meses com mais chuva, tente esticar um pouco a viagem e ficar mais dias do que o previsto, para ter mais chances de pegar belos dias de sol.

San Andrés está fora da rota de furacões, mas pode ser afetada indieretamente por furacões no Caribe, sofrendo com ventos e chuvas, mais comuns entre agosto e outubro. 

Os períodos de alta temporada - consequentemente, de preços mais altos - vão do final de dezembro ao final de janeiro, de meados de julho a meados de agosto, além da Semana Santa. Meses em que não ocorrem férias, como maio, junho, setembro e outubro, são bons para encontrar oferta de hotéis e negociar valores de passeios.  


BANNERS_VIAGEM-34.jpg

o que & onde comer

Frutos do mar. Sempre. San Andrés é um destino onde se come bem e barato. Dos restaurantes mais simples aos mais refinados, você encontra preços bem mais baixos do que no Brasil, e pode se dar ao luxo de aproveitar para experimentar vários pratos sem se assustar com a conta no final.

O prato típico da região, chamado de rondón, é como uma sopa com peixe ou caracol que leva ainda mandioca, batata e banana. A sopa de caranguejo, o arroz de coco e o patacón, uma espécie de bolinho frito feito com batata ou banana amassada, estão sempre nos menus dos restaurantes. Confesso que depois de alguns dias na Colômbia, fiquei um pouco enjoada do arroz de coco e dos patacones, por isso indico que você sempre reveze e não faça como eu de querer comer sempre a mesma coisa! Rs!

Na hora de escolher a bebida, também há muitas opções. As mais pedidas são o coco loco, que leva três bebidas alcoólicas diferentes, ou o coco fresa, que não costuma ter álcool. Se a ideia é tomar algo leve, aposte na limonada de coco ou num refrigerante de maçã, bastante popular na Colômbia. Há outro refrigerante bem popular chamado Colombiana, mas confesso que não curti muito não!

RQPC5144.jpg

Casablanca Restaurante: o restaurante que leva o mesmo nome do hotel, foi minha primeira escolha em San Andrés, para o almoço de estreia na ilha. Se eu pudesse voltar a San Andrés repetiria os mesmos restaurantes da rede Casablanca. Você poderá também servir-se do cardápio de outros restaurantes da mesma rede.

ALMOCO-CASABLANCA-SAN-ANDRES.jpg

Mahi Mahi: é um restaurante tailandês e destoa dos outros restaurantes da região por ter  ingredientes diferentes, típicos da cozinha asiática, em seu preparo. O lugar serve pratos à base de peixes e frutos do mar e por isso é indicado para o dia em que você quiser uma comida com tempero diferente. 

Sea Watch: mais um restaurante do Casablanca, o Sea Watch é mais simples, como se fosse um café. Serve pizzas, massas bem gostosas, e uns doces típicos como o folhado colombiano. O que mais me chamou atenção nos restaurantes da rede foi a decoração, sempre impecável e de muito bom gosto!

La regatta: Considerado o melhor restaurante da ilha, o La Regatta tem uma localização muito especial: está em cima do mar, com uma vista linda para a Baía de San Andrés. O restaurante é todo feito em madeira, decorado com motivos marinhos e tem um perfil refinado, ótimo para uma refeição a dois. Sentar-se próximo a uma janela e sentir a brisa do mar é o toque perfeito para que o local seja inesquecível. É um lugar ótimo para ir durante o dia, por causa da vista, ou durante o jantar, quando fica todo iluminado. Sua combinação de preço e ambiente é tão atrativa que a vontade é voltar lá várias vezes. 

LA-REGATTA-SAN-ANDRES.jpg

Donde Francesca: Se a ideia é comer olhando para uma praia bonita, vá ao Donde Francesca. O atendimento não é dos melhores, mas a comida é de dar água na boca! O restaurante serve peixes e frutos do mar, por isso não é uma boa opção para quem não curte esse tipo de culinária.

Gourmet Shop Assho: é um dos melhores restaurantes de San Andrés, não apenas pelo cardápio variadíssimo como também pela decoração charmosa, cheia de garrafas de vinho. O lugar tem bom atendimento e música ambiente divertida, mas o que chama a atenção mesmo é a variedade de pratos do menu.

Pallet&Co.: paleteria com ótima localização, bem no centrinho de San Andrés, em frente à Avenida Providência, foi uma grande descoberta! Eles fazem paletas de diversos sabores inusitados como Limonada de Coco, Rum com passas, torta de limão, e minha favorita foi a de chocolate con fresa. Super indico!

PALLET-CO-SAN-ANDRES.jpg

O que levar

- Biquínis bem básicos para curtir as praias e cachoeiras, e quem sabe se aventurar no surf ou no rafting? Nada de muito luxo por lá!

- Protetor solar e protetor labial pois o sol é de arder!

- Chinelos e rasteirinhas é o que você mais vai usar por lá. Deixe os saltos em casa.

- Repelente: você vai precisar nos passeios às cachoeiras e possivelmente nos finais de tarde.

- Batas e vestidinhos, tudo num estilo bem hippie e despojado. Só vá bem arrumada caso queira se destacar na multidão.

- Dinheiro em mãos: é difícil encontrar bancos por lá (só na rodoviária tem um 24h), então tenha uma quantia significativa com você para pagar possíveis guias, lanches e lembrancinhas em locais que não aceitam cartão. Separe no mínimo R$100 por dia. Um passeio fica em torno de R$60.

- Go pro: é possível que você use bastante, tanto nas cachoeiras quanto nas piscininhas naturais que se formam nas praias. ;)

O-QUE-LEVAR-SAN-ANDRES.jpg

Onde se hospedar

San Andrés oferece acomodações para todos os gostos e bolsos. Há desde hotéis all inclusive aos hostels com quartos compartilhados, basta escolher o tipo de hospedagem que melhor se encaixa em seu perfil de viagem. Na ilha há muitos apartamentos simples que também podem ser alugados para temporada.

O lugar conta com a forte presença da rede Decameron, que possui acomodações no sistema all inclusive e, consequentemente, diárias com preços mais salgados.

No que diz respeito à localização, não há muito mistério. Há hotéis espalhados por toda ilha, porém os que ficam mais bem localizados estão nas redondezas da Peatonal. Hospedando-se nessa região você conseguirá fazer muitas coisas caminhando, como conhecer as lojas ou ir aos restaurantes.

Quem ficar em outros bairros precisará de algum transporte alternativo para chegar ao centro, pois o comércio se concentra lá. Na região você encontra hotéis legais como o Casablanca, que fica de frente para o mar. 

Se você prefere lugares mais reservados e descarta estar próximo à movimentação do centrinho, pode escolher hotéis próximos da praia, como o Cocoplum, em San Luís. Essa região tem pouco comércio, entretanto é das mais bonitas de San Andrés - mesmo que você não se hospede ali, vá ao menos para conhecer. Segue abaixo minhas sugestões:

Portobelo Plaza de Las Américas: esse hotel não é chique, mas possui uma estrutura muito boa! Em forma de prédio, com piscina, café da manhã e atendimento excepcional, a 5 minutos andando da praia, além de super limpo! Recomendo bastante para famílias que não querem se prender ao sistema all inclusive, e sim explorar bastante a ilha e depois voltar para dormir com conforto. 

Decameron Isleño: o melhor hotel da região, sem dúvidas, fica de frente para a praia. Oferece piscina, sistema all inclusive, quartos com varanda e centro de spa. Quando visitei, percebi que havia bastante gente da terceira idade, o que garante ter uma estrutura e serviços bastante satisfatórios! 

Decameron Aquarium: também com uma ótima estrutura, esse hotel é ideal para crianças pois conta com atividades na piscina, sistema all inclusive, e tudo que uma família busca na hora de se hospedar. Para casais, já não sei se indico, pois achei um pouco bagunçado no sentido de ter animador, muita circulação de gente no momento em que visitei e pouca privacidade.

Casablanca: o meu queridinho de San Andrés, além de ter ótima localização e estrutura, piscina e conforto, ele ainda conta com uma série de restaurantes que podem ser usados por hóspedes e não hóspedes. Meio boutique, meio tradicional, super indico para jovens casais que buscam qualidade, por ser mais exclusivo e de ótimo nível de frequência, apesar do preço alto.


BANNERS_VIAGEM-22.jpg

O que comprar

SHOPPING-SAN-ANDRES.jpg

Não perde a oportunidade de fazer algumas compras quando viaja? Separe um espaço na mala, porque San Andrés é um ótimo destino para novas aquisições! A ilha está isenta de impostos e tem produtos mais baratos até mesmo do que em free shops, tornando lojinhas de rua um pequeno tesouro para os consumistas. 

As lojas de San Andrés concentram-se no centro da ilha e vendem todo tipo de produto: calçados, malas, alimentos, roupas, perfumes, eletrônicos etc. No geral, os preços são um pouco mais baixos do que os valores encontrados no Brasil e os produtos podem ser pagos com cartão de crédito, peso colombiano e dólar. 

As avenidas Colômbia, Providência, Las Américas e Colón são ideais para comprar, independentemente do produto desejado. 

Comece a planejar sua listinha de compras, mas tenha cuidado nas lojas que escolher para comprar, sob o risco de adquirir um produto falsificado. Dê preferência a lojas de marcas próprias ou lojas grandes como La Riviera, La Perfumerie, President e Madeira. Não deixe de perguntar por possíveis descontos, que podem ser conseguidos de acordo com a forma de pagamento ou em uma eventual promoção nas lojas. 

É importante lembrar que grande parte dos estabelecimentos comerciais funciona em um horário diferente do Brasil. As lojas abrem em torno das 9h, fecham às 12h30 e reabrem às 15h, funcionando até as 20h/20h30. 

Como se locomover

A pé: para andar pelo centro, uma caminhada certamente é a melhor opção. A pé você terá mais chances de observar as lojinhas e não precisará se preocupar com o trânsito.

De táxi: boa parte dos táxis em San Andrés são velhos e utilizados apenas para aqueles momentos inevitáveis, como o transporte entre o hotel e o aeroporto, por exemplo. Os veículos não têm taxímetro, por isso fique atento ao valor informado pelo taxista ao final da corrida.

De moto: se você está em casal, pode valer a pena alugar uma scooter, como se estivesse em Bali. Se atente apenas ao sol na cara e aos perigos de pilotar uma moto sem ter experiência. Não sei se recomendaria o hospital de San Andrés para se hospedar...

Carrinho de golfe: é possível encontrar carrinhos tradicionais e mais lentos (com espaço para 2, 4 e 6 pessoas) ou um carro mais potente e mais rápido, também chamado de mula (com espaço para 2 ou 4 pessoas). Não se esqueça de procurar diferentes estabelecimentos para aluguel e de negociar o preço. Os carrinhos oferecem um passeio muito legal e o custo é excelente se você viajar em um pequeno grupo. 

 


Como chegar

Da mesma forma como ocorre na parte continental da Colômbia, brasileiros que viajam para San Andrés não precisam de visto, apenas um passaporte válido ou RG com foto. Mas no caso de San Andrés, você precisa comprar uma tarjeta turística para entrar na ilha, que pode ser adquirida com as próprias companhias aéreas na hora do check in. Na saída de San Andrés ou viagem para Providência, essa tarjeta é exigida novamente, então não a descarte. Obs: caso faça conexão no Panamá, consulte sua companhia aérea sobre a necessidade de levar o passaporte! 

Avião: Três empresas fazem o trajeto entre Brasil e San Andrés: Avianca (com conexão em Bogotá), LATAM (com conexão em Lima) e Copa (com conexão no Panamá).  Mas como eu saí de Cartagena, vou contar para você o que eu preferi fazer:

Saindo de Cartagena, Cali, Bogotá, Medellín, você pode voar de Viva Colômbia, uma empresa low cost, que não possui conforto mas o custo benefício compensa por se tratar de uma viagem bem curtinha.

O único inconveniente é que eles te cobram por bagagens despachadas e para a emissão do bilhete caso você não tenha feito isso antes de chegar ao aeroporto. É só ficar ligada nessas regrinhas que você consegue economizar bastante!

Na hora de deixar a ilha, é recomendado pelas companhias estar no aeroporto com duas horas de antecedência, porque quando os vôos estão cheios, formam-se filas grandes no embarque e na imigração. Além disso, é comum ter bolsas e o próprio corpo revistado a fim de evitar o contrabando de drogas. A minha mala mesmo foi toda revistada e eu acabei perdendo um tempinho com isso...

Voar é de fato a maneira mais fácil para brasileiros chegarem ao destino, já que cruzeiros não são tão comuns. O Aeroporto Gustavo Rojas, em San Andrés, é pequeno, porém possui toda a estrutura básica para o passageiro, incluindo lojas duty free. Fica a dica! 

 

Informações úteis

  • A voltagem em San Andrés é de 120V.
  • Para sair do aeroporto, recorra a um táxi credenciado. 
  • Tenha dinheiro em espécie caso queira comprar perfumes, maquiagens, bebidas e eletrônicos. Muitas lojas não aceitam cartão, incluindo a mais famosa, La Riviera. 
  • Como já disse, não deixe de experimentar a queridinha limonada de coco colombiana e se gostar, pode até comprar o leite de coco que eles usam lá para trazer para o Brasil, já que o daqui é bem diferente.
  • Para chegar na Colômbia você precisa ter o certificado internacional de vacina de febre amarela da Anvisa, tirado pelo menos 10 dias antes da viagem! Obs: o certificado brasileiro não vale nesse caso, então tenha certeza de que está com tudo certinho e não esqueça de embarcar com o seu!

Aguardo as dúvidas aqui nos comentários!

Amanda.