6 motivos para você fazer o passeio de quadriciclo em Maraú

PASSEIO-QUADRICICLO-MARAU.jpg

Um passeio de quadriciclo na Península de Maraú é realmente uma experiência única. Eu já havia andado de moto, bugre, triciclo, bike, tudo isso, mas nunca de quadriciclo. Você já passou por essa experiência? Aqui nesse post você vai ver o trajeto que eu fiz e os perrengues que passei. Preparada?

Aproveita para ler também:

Península de Maraú: super guia de viagem

Um sonho de hospedagem chamada Dreamland Bungalows

Agora vamos aos 5 motivos para você não deixar de fazer o passeio de quadriciclo em Maraú!

1- Para dirigir, você não precisa ter carteira

Simples assim! Basta que o rapaz da empresa te ensine onde ficam todos os comandos como acelerador, freio e marchas, pois é tudo bem diferente de uma moto normal - e mais ainda de um carro. Daí você fica uns 5 minutinhos treinando num terreno vazio e pronto: está habilitado para dirigir um quadriciclo por quantos dias desejar!

2- Alugue pelo tempo que desejar

Eu acabei alugando o quadriciclo em Maraú apenas por um dia, com o objetivo de fazer um passeio específico que me indicaram na pousada Dreamland Bungalows, que incluía: piscinas naturais de Taipu de Fora - Lagoa Azul - Lagoa do Cassange - terminando no Farol.

Fiz o passeio saindo das piscinas naturais de Taipu de fora, então vou focar no resto do trajeto. Já falei bastante das piscinas naturais nesse post aqui: Por que a praia de Taipu de Fora é considerada uma das mais bonitas do Brasil?

LINHA-CINZA.png

3- Visite a pacífica Lagoa Azul

A Lagoa Azul não é uma grande atração da região, talvez você nem ouça falar dela quando estiver por lá. Mas como estava no caminho do meu trajeto para a Lagoa do Cassange, resolvi entrar para dar uma olhada - e não me arrependi. Quando cheguei nela, não tinha ninguém, o que trazia um ambiente de paz e tranquilidade. Há uma parte da lagoa que é própria para banho (a parte mais clara) e uma parte imprópria (mais escura). A areia é bem branquinha e a água calminha.

4- Escolha quando parar para lanchar

Minha dica é fazer da Lagoa Azul uma parada para lanche. Em Janeiro, uma cabana funciona vendendo alguns itens de comida e bebida, mas em Fevereiro já não funcionava mais. Você pode levar um suco, algumas frutas e biscoitos e comer enquanto contempla a vista e descansa da estradinha de areia, além de se hidratar com bastante água pois o trajeto é muito quente no verão!

Lembrando que o passeio de quadriciclo em Maraú não é o passeio mais tranquilo da vida. Tem que ter paciência para lidar com os perrengues pelo caminho, com o forte calor e com o caminho de terra instável. Ele faz você quicar a cada 2 segundos, literalmente, em algumas partes do trajeto. Se prepare para fortes emoções! Hahahaha

LINHA-CINZA.png

5- Praticar esportes na Lagoa e na Praia do Cassange

Aquela que seria a Lagoa principal da região pela sua extensão, deixou um pouco a desejar. Acredito que seja mais bonita vista de cima. Do Morro do Celular, para quem vem de jipe de Itacaré, a vista panorâmica da Lagoa de água doce separada do oceano por uma faixa de areia de apenas 300m de largura é incrível - vi por fotos! Mas lá debaixo não é para tanto…

Por onde cheguei, só havia uma entrada para a Lagoa, onde ali mesmo você pode alugar uma prancha de SUP, praticar esportes a vela ou apenas beber uma água no Bar da Lagoa, único bar na região. O trajeto que beira a praia é muito bonito, não deixe de pegar esse caminho. Há muito verde e, com o mar ao fundo você pode sentir uma conexão muito forte com a natureza!

No entorno da Lagoa, contudo, há diversas pousadas, algumas bem grandes e a praia do Cassange. Super deserta em Fevereiro, essa praia possui areia bem fofa e boas ondas para o surf, mas é de difícil acesso. Caso você visite os arredores fora da temporada, leve tudo que puder - água, protetor solar, protetor labial, chapéu, comida, e o que mais precisar, pois não há vida na região.

LINHA-CINZA.png

6- Dirigir até o farol para ver a vista em 360 graus da cidade

Essa foi a minha parte favorita! É possível avistar o farol de diversas partes da região, tanto da BR quanto da praia, e da Lagoa Azul. Dizem que é fácil chegar lá no topo do morro do Farol. Mas será? Não encontrei a subida para ele no meu trajeto para o Sul enquanto beirava a praia, então resolvi voltar por dentro da BR e pegar o acesso principal à ele.

Foi ótimo ter deixado esse spot por último, pois acabei pegando aquele finalzinho de tarde com uma luz bem bonita! Vi pelas fotos que o por do sol lá também é incrível, mas não quis deixar para voltar à noite, com medo de me perder. Não sou fresca nem nada, mas… lembrem que o GPS do celular não funciona lá! Haha

Tentei descobrir a história do Farol e o por quê dele estar desativado, mas tudo que me foi falado é que este farol não é tão antigo quanto parece, e que ele foi construído apenas como atração turística por conta da vista, o que faz sentido.

Ainda assim, vale muito a visita, pois lá de cima você tem uma visão em 360 graus da região, e consegue entender melhor como a cidade está distribuída. Dá para ver o tamanho da Lagoa do Cassange e a parte que ocupa a maior parte das casas dos habitantes da Península de Maraú. De tirar o fôlego!

Uma dica: há dois caminhos de terra para subir o farol, um mais curto e íngreme e outro mais longo e mais plano. Me aconselharam não pegar o caminho mais íngreme de quadriciclo pois correria o risco de capotar! Por isso estou repassando essa dica de ouro: peguem o caminho mais plano, que é este da foto acima, principalmente se tiver chovido, mesmo sendo um pouco mais longo. Ainda assim, ele não leva nem 3 minutos de subida!

Últimas considerações

Além desse trajeto, você pode ir até o centrinho, em Barra Grande, também de quadriciclo. Mas o caminho é longo, talvez cerca de 30 minutos de distância, então escolhi ficar somente por Taipu de Fora mesmo, onde estava hospedada. Quando queria ir para Barra Grande, pegava um táxi para não ter preocupação com gasolina, trajeto e horário. Melhor assim, né?

Aliás, uma última dica desse passeio é: prestem atenção na gasolina. O ideal é completar o tanque antes de começar esse passeio em si, pois no meio do caminho não há postos nem nada. Aliás, só achei um posto de gasolina (bem capenga, por sinal) na região de Taipu de Fora. O que aconteceu comigo foi que, quase chegando para devolver o quadriciclo, a gasolina acabou e tive que pedir ajuda para o rapaz da pousada. Que mico! Hahahah

Gostaram? Já fizeram o passeio de quadriciclo em Maraú? Contem aqui nos comentários!

Beijocas,
Mandzy.

LINHA-CINZA.png
 
VC-TB-PODE-CURTIR.jpg